Histórias digitais ou analógicas?



"É preciso entender que trabalhar com a internet abre possibilidades estéticas e narrativas que não fazem parte do analógico universo televisivo ou cinematográfico tradicional. Notem que não estou falando aqui sobre a produção em si, mas da relação entre o enredo e os espectadores. Costumo dizer que nas histórias, em sua essência, nada mudou. O que está diferente é a forma como os espectadores (ou webespectadores, como vamos chamá-los aqui) se relacionam com essas histórias. Afinal, trabalhar um produto digital com pensamento analógico não faz sentido.


Diferente de outros tempos, para pensar um produto audiovisual temos que analisar sobre três diferentes pontos de vista: da audiência, dos fãs e das comunidades. Somente o universo digital consegue reunir os elementos necessários para fechar esse ciclo de relacionamento com os consumidores. Por isso, é fundamental entender a jornada do produtor de conteúdo audiovisual digital, analisando o comportamento do público pretendido, criando uma proposta de valor audiovisual, desenvolvendo um ecossistema de conteúdo e projetando estratégias de captação e escalabilidade de audiência."



Este é um trecho do livro Lean Film Design, que vai te ajudar a criar e prototipar projetos e roteiros audiovisuais utilizando ferramentas de design thinking e inteligência de mercado, com foco 100% na audiência.


Quer aprender? Acesse o link para saber mais