CMK Play lança o curta de suspense “A gangue dos palhaços”



 

Filme faz uma releitura da lenda urbana que aterrorizou o interior do Brasil nos anos 90

 

“Lendas urbanas espalham-se e permanecem não porque são mentiras bem contadas, mas porque sempre há alguma verdade nelas. Estas histórias estão enraizadas nos nossos medos mais ancestrais, em assombros que podem acontecer com qualquer um, em qualquer lugar.” É desta forma que o diretor mineiro Guto Aeraphe define o tema de seu mais novo filme “A Gangue dos Palhaços”, uma história de suspense que está disponível gratuitamente no canal da produtora CMK Play no Youtube.


Esta lenda ficou conhecida nos anos 90 por causa das manchetes nos jornais sensacionalistas da época que retratavam supostos casos de sequestros de crianças realizados por pessoas vestidas como palhaços. Apesar de a época os jornais desmentirem os fatos, eles ficaram marcados no imaginário coletivo e permanecem fortes até hoje.


O curta é narrado pela figura de um misterioso jornalista que nos conta a história de um policial que está tentando descobrir o que de fato aconteceu com sua irmã e sobrinha, desaparecidas após um festival de palhaços em uma cidade do interior de Minas.



“Fizemos uma releitura desta lenda urbana colocando elementos sobrenaturais à narrativa, saindo do lugar comum e dando um toque de terror à trama”, afirma Aeraphe, que também assina o roteiro deste projeto. O diretor é conhecido por seus trabalhos anteriores com temáticas voltadas para os gêneros de ação e guerra, como a série Heróis (sobre o Brasil na Segunda Guerra Mundial) e a série Cidade do Sol (sobre a participação do Brasil no processo de pacificação do Haiti).


“Este trabalho faz parte de um projeto maior. A ideia é realizar um seriado onde cada episódio traz uma lenda urbana diferente, atualizadas para os contextos modernos, criando uma relação entre o sobrenatural e o tecnológico, gerando novas histórias numa mistura de ‘The Twilight Zone’ com ‘Black Mirror’”, relata o produtor executivo Humberto de C.Rezende, proprietário da Coruba Audiovisual, parceira do projeto.



O filme foi realizado por meio dos recursos da Lei Aldir Blanc disponibilizados pela Secretaria de Cultura de Minas Gerais e as gravações aconteceram em Itaúna, interior do Estado, e contou com uma equipe que reuniu pessoas da cidade e do entorno, como Pará de Minas, Divinópolis e Belo Horizonte. Para o Diretor de Produção Márcio Costa, da produtora Bot Movies “gravar no interior traz muitas vantagens para a produção. Além dos custos reduzidos e facilidades para realizar parcerias, levamos renda para as empresas locais e oportunidades para os talentos que lá moram.”.


O elenco tem a participação dos atores mineiros Breno de Filippo, Dani Andrade, Léo Souza José Roberto Pereira e a participação da atriz mirim Beatriz de Souza Faria, que está em seu primeiro trabalho no universo cinematográfico.


ASSISTA AGORA!